Sexta, 18 de Setembro de 2020 14:09
(67) 99607-2306
Geral Artigo

Anticorpos e Células T: como é construída a imunidade contra o novo coronavírus

O seu corpo também mobiliza moléculas para matar os corpos estranhos chamadas de anticorpos, que são a principal defesa de nosso organismo contra doenças

12/08/2020 15h44
Por: Redação Fonte: VLV Advogados

Quando você contrai o vírus da catapora, sarampo ou gripe, por exemplo, seu corpo mobiliza um batalhão de células e moléculas para responder ao agente estranho e impedi-lo de te deixar doente. Assim, você pode começar a tossir bastante para eliminar o vírus da gripe de dentro do seu corpo, por exemplo, ou ter febre (o seu corpo aumenta a própria temperatura para tentar matar o corpo estranho). Essas ações são chamadas de resposta imune, mas ela não para por aí.

O seu corpo também mobiliza moléculas para matar os corpos estranhos chamadas de anticorpos, que são a principal defesa de nosso organismo contra doenças. Quando seus anticorpos entram em contato com uma nova doença, eles aprendem a lutar contra ela.

O mesmo acontece com outro tipo de proteção mediada pelos linfócitos T, que matam as células infectadas pelo agente estranho, como os vírus (o único problema é que vírus como o do HIV destrói as células T em si).

Em alguns casos esse aprendizado pode durar meses, como é o caso da gripe, ou a vida inteira, como é o caso do sarampo e da catapora.

Assim, quando você contrai uma doença infecciosa, existe uma chance grande de nunca mais contraí-la, ou demorar muito tempo para que isso aconteça de novo.

Por isso, podemos criar vacinas contra doenças, ensinar nossos corpos a combatê-las caso entremos em contato com elas algum dia e, em muitos casos, apenas precisamos tomá-la uma vez na vida ou a cada 10 anos, por exemplo.

Quando se trata do novo coronavírus, é com isso que contamos: que o nosso corpo consiga aprender a lutar contra o vírus e se lembre disso após a infecção, caso contrário, a vacina não será efetiva. O grande problema é que estudos do King’s College London mostram que os anticorpos podem desaparecer completamente após 3 meses e, em alguns casos, nunca aparecerem.

Logo, a grand esperança é que os linfócitos T, ou células T, sejam os grandes responsáveis pela imunidade pós-infecção do coronavírus e, aparentemente, é isso que ocorre. Ainda assim, em pacientes graves, as autópsias mostram que os órgãos nos quais as célulasT são criadas necrosam, lesão semelhante a que ocorre em pessoas que morrem por HIV.

Ainda assim, estas células talvez sejam a nossa maior esperança na busca por uma vacina para o vírus da Sars-Cov-2.

* O conteúdo de cada comentário é de responsabilidade de quem realizá-lo. Nos reservamos ao direito de reprovar ou eliminar comentários em desacordo com o propósito do site ou que contenham palavras ofensivas.
VLV Advogados
Sobre VLV Advogados
Michele Damacena – VLV Advogados – Escritório de Advocacia Valença, Lopes e Vasconcelos.
Dourados - MS
Atualizado às 15h00 - Fonte: Climatempo
32°
Poucas nuvens

Mín. 19° Máx. 33°

30° Sensação
12.5 km/h Vento
24.4% Umidade do ar
67% (12mm) Chance de chuva
Amanhã (19/09)
Madrugada
Manhã
Tarde
Noite

Mín. 20° Máx. 30°

Sol, pancadas de chuva e trovoadas.
Domingo (20/09)
Madrugada
Manhã
Tarde
Noite

Mín. 16° Máx. 27°

Sol com muitas nuvens