Terça, 04 de Agosto de 2020 09:38
(67) 99607-2306
Politica Carlos Bolsonaro

Bolsonaro pede para Carlos baixar o tom nas redes sociais

O pedido de Bolsonaro foi feito num contexto em que o presidente busca um armistício com os tribunais após operações autorizadas pelo Supremo Tribunal Federal

07/07/2020 10h04
Por: Redação Fonte: Extra
Bolsonaro pede para Carlos baixar o tom nas redes sociais

A nova estratégia de apaziguamento adotada pelo presidente Jair Bolsonaro, que há mais de duas semanas têm optado por evitar embates públicos e declarações polêmicas, incluiu uma conversa com seu filho Carlos, vereador no Rio de Janeiro e um dos nomes mais influentes na comunicação do Palácio do Planalto. De acordo com a colunista Bela Megale, o presidente pediu para Carlos baixar o tom nas redes sociais, em especial em relação ao Judiciário. A conversa aconteceu há poucas semanas, segundo integrantes do governo.

O pedido de Bolsonaro foi feito num contexto em que o presidente busca um armistício com os tribunais após operações autorizadas pelo Supremo Tribunal Federal (STF) atingirem aliados seus e a prisão Fabrício Queiroz, ex-assessor de seu filho Flávio Bolsonaro investigado no caso da “rachadinha” na Assembleia Legislativa do Rio (Alerj). Carlos, por sua vez, alertou o pai que a nova postura não tem agradado a militância virtual bolsonarista.

O aviso, informou o colunista Guilherme Amado, da revista Época, veio acompanhado do recado de que os afagos públicos por Bolsonaro aos presidentes da Câmara, Rodrigo Maia (DEM-RJ), e do Senado, Davi Alcolumbre (DEM-AP), irritaram especialmente as redes bolsonaristas na internet. Maia e Alcolumbre são alvos recorrentes de ataques.

O vice-presidente Hamilton Mourão defendeu, ontem, a nova postura pacificadora do Planalto e a aproximação com partidos do centrão. Segundo Mourão, o governo atual começou com uma “visão idílica” que o deixou “aprisionado” durante o primeiro ano de gestão, ao tentar negociar a aprovação de projetos com bancadas temáticas no Congresso. Para o vice-presidente, Bolsonaro “mudou a sua rota” em 2020. Ele defendeu ainda que, “se não houver coalizão, o presidente não governa”.

— O governo começou com uma visão idílica, estou sendo bem sincero, de que por meio das bancadas temáticas nós teríamos um relacionamento eficiente com o Congresso — afirmou em conversa promovida pelo banco Credit Suisse.

Mourão citou também as críticas de que o “toma lá, dá cá”, condenado por Bolsonaro, tenha voltado a Brasília. Segundo ele, a negociação política faz parte do presidencialismo. E que, em um Congresso tão fragmentado como o brasileiro, o diálogo com os partidos de centro será sempre necessário.

— Muito se fala da questão presidencialismo de coalizão, o presidencialismo ele só pode ser de coalizão. Pra mim presidencialismo de coalizão é pleonasmo. Se não houver coalizão o presidente não governa — comentou.

* O conteúdo de cada comentário é de responsabilidade de quem realizá-lo. Nos reservamos ao direito de reprovar ou eliminar comentários em desacordo com o propósito do site ou que contenham palavras ofensivas.
Dourados - MS
Atualizado às 10h27 - Fonte: Climatempo
23°
Tempo aberto

Mín. 15° Máx. 31°

23° Sensação
24 km/h Vento
26.5% Umidade do ar
0% (0mm) Chance de chuva
Amanhã (05/08)
Madrugada
Manhã
Tarde
Noite

Mín. 15° Máx. 31°

Sol
Quinta (06/08)
Madrugada
Manhã
Tarde
Noite

Mín. 15° Máx. 31°

Sol com algumas nuvens