Sicredi
Probel
Eliton - Diego Farma & Farma
Papa

Papa: a relação de gratuidade com Deus nos ajuda a servir os outros

Não há relação com Deus fora da gratuidade foi o afirmou o Papa Francisco durante homilia da missa desta terça-feira, 11, na Casa Santa Marta

Canção Nova

Canção NovaAs noticias da Canção Nova aqui no IMPACTONEWS.

11/06/2019 08h07Atualizado há 2 semanas
Por: Redação
Fonte: Canção Nova
588
Divulgação
Divulgação

Dê de graça o que você recebeu de Deus de graça, foi o que pediu o Papa Francisco durante a homilia da missa desta terça-feira, 11, na Casa Santa Marta, no Vaticano. O Santo Padre refletiu sobre a gratuidade de Deus e sobre a gratuidade com os outros por meio de testemunho ou serviço. O convite é: alargar o coração para que a graça venha. A graça, segundo o Pontífice, não se compra e deve servir o povo de Deus, não usá-lo.

A homilia do Papa parte da passagem do Evangelho (Mt 10,7-13) sobre a missão dos apóstolos, a missão de cada um dos cristãos. Um cristão não pode ficar parado, de acordo com Francisco, pois a vida cristã é abrir caminho. O Santo Padre recordou as palavras de Jesus no Evangelho: “No vosso caminho, pro­clamai: ‘O Reino dos Céus está próximo’. Curai doentes, ressuscitai mortos, puri­ficai leprosos, expulsai demônios. Esta é, portanto, a missão e se trata de uma vida de serviço”.

A vida cristã é para servir, afirmou o Pontífice. “É muito triste quando encontramos cristãos que, no início da sua conversão ou da sua consciência de serem cristãos, servem, estão abertos a servir, servem o povo de Deus, e depois acabam usando o povo de Deus. Isto faz tanto mal, tanto mal ao povo de Deus. A vocação é para ‘servir’, não para ‘usar’”, advertiu.

“Uma vida de gratuidade”, assim Francisco definiu a vida cristã. Ainda na passagem evangélica proposta pela Liturgia de hoje, o Papa ressalta que o Senhor vai ao coração da salvação: “De graça re­ce­bestes, de graça deveis dar”. A salvação não se compra, é dada gratuitamente, apontou o Santo Padre: “[Deus] nos salva gratuitamente, não nos faz pagar. E como Deus fez conosco, assim devemos fazer com os outros. (…) Precisamente esta gratuidade de Deus é uma das coisas mais belas”.

“Saber que o Senhor é cheio de dons para nos dar. Somente, pede uma coisa: que o nosso coração se abra. Quando dizemos ‘Pai nosso’ e rezamos, abrimos o coração para que esta gratuidade venha. Não há relação com Deus fora da gratuidade. Às vezes, quando precisamos de algo espiritual ou de uma graça, dizemos: ‘Bem, agora vou jejuar, vou fazer uma penitência, vou fazer uma novena…’. Certo, mas tenham cuidado: isto não é para ‘pagar pela graça, para ‘adquirir’ graça; isto é para ampliar seu coração para que a graça possa vir. A graça é gratuita”, frisou o Pontífice.

Segundo o Papa, todos os bens de Deus são gratuitos o problema é que o coração humano, por vezes, se encolhe, se fecha e não é capaz de receber este amor gratuito. Não devemos negociar com Deus, alertou Francisco, que completou: “Com Deus não se negocia”.

O convite do Santo Padre para mais gestos gratuitos foi direcionado também aos sacerdotes e pastores da Igreja, O Pontífice pediu ao clero que não venda a graça. “Dói muito, quando há pastores que fazem negócios com a graça de Deus: ‘Eu faço isto, mas isto custa tanto, tanto…’. A graça do Senhor é gratuita e você deve dá-la gratuitamente”, reforçou.

“Na nossa vida espiritual temos sempre o perigo de escorregar no pagamento, sempre, mesmo falando com o Senhor, como se quiséssemos dar um suborno ao Senhor. Não! A coisa não vai por ali! Não vai por esse caminho. ‘Senhor, se me fizeres isto, eu dou-te isto,’ não. Eu faço essa promessa, mas isso alarga meu coração para receber o que está lá, gratuito para nós”, sublinhou Francisco,

O Pontífice concluiu: “Esta relação de gratuidade com Deus é a que nos ajudará depois a tê-la com os outros, seja no nosso testemunho cristão, seja no serviço cristão e na vida pastoral daqueles que são pastores do povo de Deus. No caminho. A vida cristã é caminhar. Pregar, servir, não ‘fazer uso de’. Sirvam e deem de graça o que receberam de graça. Que a nossa vida de santidade seja este ampliar o coração, para que a gratuidade de Deus, as graças de Deus que estão ali, gratuitas, que Ele quer nos dar, possam chegar ao nosso coração. Que assim seja”.

Nenhumcomentário
500 caracteres restantes.
Seu nome
Cidade e estado
E-mail
Comentar
* O conteúdo de cada comentário é de responsabilidade de quem realizá-lo. Nos reservamos o direito de reprovar ou eliminar comentários em desacordo com o propósito do site ou com palavras ofensivas.
Mostrar mais comentários