Eliton - Diego Farma & Farma
Probel
Sicredi
Bolsonaro

Para conter crise, Bolsonaro esperava que Bebianno pedisse demissão

Chefe da Casa Civil, Onyx Lorenzoni atribui problema envolvendo o ministro da Secretaria-Geral a pouco tempo de governo

14/02/2019 06h37
Por: Redação
Fonte: Noticias ao minuto
Marcos Corrêa/PR
Marcos Corrêa/PR

Oministro Onyx Lorenzoni, chefe da Casa Civil, atribuiu ao pouco tempo de governo a nova crise aberta pelas denúncias contra o ministro Gustavo Bebianno (Secretaria-Geral) e a reação do filho do presidente, Carlos Bolsonaro, nas redes sociais nesta quarta-feira (13).

Carlos escreveu que Bebianno mentiu ao dizer que falou três vezes com o presidente, Jair Bolsonaro, na terça-feira (12), expondo o desgaste do auxiliar presidencial com a família Bolsonaro.

Bebianno está no centro de uma crise envolvendo suspeitas de corrupção no partido do presidente, do PSL. Reportagens da Folha de S.Paulo mostraram que o PSL repassou valores relevantes a candidatos laranjas nos últimos dias de campanha. Bebianno teria ordenado os repasses, inclusive para uma ex-assessora, que recebeu R$ 250 mil.

As denúncias riscam a principal vitrine do governo Bolsonaro, que se elegeu com a promessa de combater a corrupção na política e de acabar com práticas criminosas cometidas por partidos rivais no passado, como o financiamento ilegal de campanha feito pelo PT e partidos aliados revelado pela operação Lava Jato.

Ao ser questionado sobre a sustentabilidade do ministro Bebianno no cargo após as denúncias e o choque com a família presidencial, Onyx afirmou que "ajustes nas relações são normais".

"Temos 40 dias de governo, o presidente ficou quase 20 hospitalizado, temos que ter paciência, temos que ir com calma", afirmou. "O ministro Bebianno é uma pessoa super dedicada ao projeto, é um homem sério, responsável, correto, essas coisas são naturais num processo que está iniciando."

Onyx disse ainda que "não vai criar onda onde não tem razão para ter" e evitou falar das denúncias contra Bebianno.

"É como um time de futebol, nem sempre o lateral se acerta bem com o ponteiro, às vezes o cara da meia cancha demora a ligar com o atacante, que está sempre em impedimento. Tem que ajustar as coisas, isso vai se ajustar, ninguém vai criar uma onda onde não tem razão para ter."

No entanto, de acordo com a Folha de S. Paulo, não é bem esse o pensamento do presidente Jair Bolsonaro, que teria endossado integralmente o ataque do filho ao ministro. Durante viagem entre São Paulo e Brasília, inclusive, chegou a enviar a postagem de Carlos Bolsonaro a aliados, por meio do WhatsApp.

Para integrantes do governo, a tática explicitou novamente uma grande fragilidade do presidente. Como diz um deputado aliado, se o presidente estava contrariado com Bebianno, que exercesse sua autoridade e o enquadrasse ou demitisse. Por outro lado, ainda segundo o jornal, ele pondera que Bolsonaro não gostaria de humilhar publicamente o ministro, um aliado leal e que, como presidente interino do PSL comandou sua campanha com acesso a todo tipo de informação confidencial e estratégica.

Já a ala militar do governo, conforme um integrante desse núcleo, considera inaceitável que um presidente lide com uma grave crise política por meio de vazamento de áudios em rede social.

Segundo a Folha apurou, Bolsonaro esperava que o ministro pedisse demissão já no começo desta quarta (13), para que ele voltasse à capitão federal com um trunfo para conter os impactos do caso.

Nenhumcomentário
500 caracteres restantes.
Seu nome
Cidade e estado
E-mail
Comentar
* O conteúdo de cada comentário é de responsabilidade de quem realizá-lo. Nos reservamos ao direito de reprovar ou eliminar comentários em desacordo com o propósito do site ou com palavras ofensivas.
Mostrar mais comentários