Sábado, 23 de março de 2019
(67) 99607-2306
Politica

11/01/2019 às 09h58

81

Redator

Deodápolis / MS

Para 68,6%, Bolsonaro deve fazer a reforma na previdência
Consultados também são contra modelos especiais para militares e servidores públicos
Para 68,6%, Bolsonaro deve fazer a reforma na previdência
Gráfico aponta percentuais dos consultados a favor e contra medidas na previdência. (Arte: Ricardo Oliveira).

A maioria dos brasileiros se diz a favor de mudanças no setor previdenciário por parte do presidente da República, Jair Bolsonaro (PSL), segundo o levantamento do instituto Paraná Pesquisa, divulgado nesta quarta-feira (dia 9).

Foram feitas quatro perguntas envolvendo o assunto para 2.006 moradores de 146 cidades distribuídas nos 26 Estados e no Distrito Federal, entre 12 e 15 de dezembro de 2018. Formam 68,6% as pessoas que concordam que o presidente deva fazer a reforma da previdência, outros 24,5% discordam e 7% não sabem.

Os consultados também foram indagados se o sistema de capitalização individual pelo qual cada trabalhador contribui apenas para sua própria aposentadoria é uma boa solução. 63,2% responderam “sim”, 29,1% acham que não e 7,7% não sabem.

A pesquisa também quis saber se os consultados são a favor do sistema de aposentadoria dos servidores públicos e dos militares. A pergunta estimulada foi: “os servidores devem continuar a se aposentar com o salário integral, ou deveria ser como o restante da população, que não se aposenta com o salário integral?”.

Ao todo, 65,6% acreditam que o modelo dos funcionários públicos deveria ser igual ao do restante da população, 28,7% pensam que deve ser da forma atual e 5,7% dizem não saber. Sobre os militares, o questionamento foi se esta categoria deve ou não ter um regime de previdência especial. Formam 57,7% quem respondeu não, 37,3%, sim, e 5% quem não sabe.

Hoje, o teto atual da aposentadoria no setor privado é R$ 5,6 mil, enquanto um militar que vai para reserva não possui um limite. Teoricamente, esta categoria está sujeita ao teto constitucional, equivalente ao salário dos ministros, hoje em R$ 33,8 mil.

Entre as ideias propostas por Bolsonaro, está a capitalização, uma espécie de poupança própria do trabalhador, para garantir aposentadoria no futuro. A reforma no setor está sendo elaborada pelo novo governo para ser apresentada ao Congresso Nacional, onde será votada, em fevereiro.

FONTE: Campo Grande News

O conteúdo de cada comentário é de responsabilidade de quem realizá-lo. Nos reservamos o direito de reprovar ou eliminar comentários em desacordo com o propósito do site ou com palavras ofensivas. A qualquer tempo, poderemos cancelar o sistema de comentários sem necessidade de nenhum aviso prévio aos usuários e/ou a terceiros.
Comentários
Veja também
Facebook
© Copyright 2019 :: Todos os direitos reservados
Site desenvolvido pela Lenium