Probel
Sicredi
Eliton - Diego Farma & Farma
Ampla Visão

MDB sobreviverá sem Puccinelli?

Coluna de Manoel Afonso

Ampla visão

Ampla visãoBlog do Manoel Afonso Opinião e atitude no Mato Grosso do Sul

20/12/2018 08h02
Por: Redacao
Fonte: Campo Grande News

A ESCOLHA Para os deputados estreantes na Câmara 2 modelos a seguir: o primeiro de Carlos Marun (MDB) que adotou a fidelidade partidária ( e se deu bem) dando as costas à opinião pública. O segundo de Fábio Trad (PSD) sintonizado com o texto legal e o clamor social, além de seu preparo. Estilos opostos: Marum: volume e barulho; Trad: conteúdo e discrição.

O NOVELO Os casos de Ladário e Dourados não seriam os únicos em matéria de safadeza. Se puxar o fio deste novelo vai aparecer ‘mágicas cavernosas’ nas relações entre prefeitos e vereadores em muitos municípios. Ao que parece o Ministério Público deve estender essas investigações sobre diárias, verbas de representação e assuntos relacionados a licitações tipo ‘carta marcada’.

AS RELAÇÕES entre Executivo e Legislativo por aí seguem o mesmo roteiro: os vereadores dificultam a vida do prefeito para colher facilidades. Com o dinheiro do duodécimo repassado pontualmente os vereadores tratam logo de gastá-lo custe o que custar. E tem mais: vereadores exigem um mensalinho do Executivo através de mecanismos diversos.

O GOLPE Segundo ouvi no saguão da Assembleia Legislativa, o Ministério Público Estadual estaria colhendo material para apurar eventos promovidos por uma entidade representativa de vereadores do Estado. Tais eventos de duvidoso proveito técnico, teria como objetivo maior justificar o recebimento de diárias dos vereadores participantes. Seria a chamada indústria de diárias com direito a diplomas e certificados.

LIGEIROS Muitos vereadores interioranos de primeiro mandato podem até continuar tendo dificuldades em dar o nó perfeito na gravata. Só na gravata - repito - porque em matéria de esperteza surpreendem com o aprendizado rápido apesar da pouca cultura. A grande maioria abandona a profissão original para a dedicação exclusiva à vereança. Mas esquecem: a suculenta teta é temporária.

JARDIM Com 11 vereadores, a Câmara Municipal é beneficiária do repasse mensal do Executivo da quantia de R$240 mil. Cada um deles ao custo mensal R$22 mil. Muito ou pouco diante do potencial do município e das atribuições de suas ‘excelências’? Conta-nos o presidente do legislativo Fernando Ramos (PSDB) que neste ano devolverá R$240 mil ao Executivo.

* O conteúdo de cada comentário é de responsabilidade de quem realizá-lo. Nos reservamos ao direito de reprovar ou eliminar comentários em desacordo com o propósito do site ou com palavras ofensivas.